Alunos de Ciências Biológicas do Campus Petrolina da UPE criam série de podcast

Alunos do curso de Ciências Biológicas do Campus Petrolina da Universidade de Pernambuco (UPE) são os autores de uma nova série de podcasts que integra o programa de extensão universitária Conhecimento Solidário, coordenado pela Pró-reitoria de Extensão e Cultura (Proec).

Em “Ouvindo Biologia”, Roberlania Alves Rocha, Luiz Henrique Santos Cursino, Tatiane Cezario dos Santos e  Maria Eduarda Marinho de Sousa pretendem discutir aspectos da ciência em uma linguagem acessível para todos. O primeiro episódio, que está disponível no Spotify (https://open.spotify.com/show/1loLRJck1WZlTOz1DXdmdt) e em outros canais listados no http://www.upe.br/podcasts.html aborda a vida e a obra de Gregor Mendel, o biólogo, botânico e monge que descobriu as leis da genética, que mudaram o rumo da biologia.  

O episódio, com o título de “Minuto Mendeliano”, tem 14m39s e trata dos experimentos de Mendel que até hoje têm impacto na área de genética, biotecnologia e educação. A docente orientadora é Elaini Oliveira dos Santos Alves.

UPE tem equipamentos que podem armazenar vacinas contra Covid-19

Fotos: TV Asa Branca

A Universidade de Pernambuco (UPE) pode colaborar com a campanha de vacinação contra Covid-19 cedendo equipamentos para armazenamento de doses que precisam de refrigeração a baixas temperaturas, como é o caso dos imunizantes produzidos pela indústria farmacêutica Pfizer, que exigem abaixo de - 70 °C. Três freezers, sendo dois no Campus Santo Amaro e um no Campus Garanhuns, podem ser usados para conservar cerca de 350 mil doses de vacinas. 

Os freezers, que usualmente armazenam amostras biológicas utilizadas em aulas práticas e também por pesquisadores, encontram-se no Instituto de Ciências Biológicas, no laboratório do Hospital Universitário Oswaldo Cruz (HUOC) e no campus localizado no Agreste. Dois têm capacidade de 520 litros e o terceiro consegue armazenar 423 litros.

No Campus Garanhuns, o Indrel Ultra Freezer, que pode atingir até 86 °C negativos, foi instalado durante a pandemia e não chegou a ser usado ainda em pesquisas. Ele pode ser de utilidade para a distribuição de vacinas no interior de Pernambuco. Como a Pfizer distribui suas vacinas em bandejas com cerca de mil doses, o equipamento pode armazenar material que imunizaria 112 mil pessoas.

A UPE fez o levantamento dos equipamentos disponíveis atendendo pedido do Ministério de Ciência e Tecnologia. Um relatório será enviado com o detalhamento dos equipamentos para uso futuro na campanha nacional de vacinação contra Covid-19.

UPE libera acesso aos cartões dos candidatos que farão provas de ingresso para Escolas de Aplicação

 

A Comissão Permanente de Concursos Acadêmicos da Universidade de Pernambuco (CPCA/UPE) disponibilizou nesta segunda-feira (11) os cartões de inscrição para os candidatos que farão as provas das Escolas de Aplicação que serão realizadas no dia 22 de janeiro. São disponibilizadas 332 vagas no total, sendo 252 vagas para o 6º ano do Ensino Fundamental e 80 vagas para a 1ª série do Ensino Médio.

Os alunos devem acessar o endereço eletrônico https://processodeingresso.upe.pe.gov.br, usar o e-mail e a senha cadastrados e imprimir o documento. Além de verificar seu local de prova, os alunos terão acesso, juntamente com os cartões de inscrição, aos protocolos de biossegurança que devem ser seguidos, sob pena de exclusão do processo seletivo.

Ao acessar a página, o candidato deve clicar no quadrado “Processo seletivo das Escolas de Aplicação”, de cor rosa. Depois, clicar na barra azul “Acesse aqui PARA REALIZAR E ACOMPANHAR A SUA INSCRIÇÃO no Processo Seletivo das Escolas de Aplicação”. Por último, clicar na barra verde “Acompanhar inscrição”. Em caso de dúvidas, maiores informações podem ser obtidas através dos telefones (81) 3183-3660 e 3183-3791.

De acordo com os protocolos de biossegurança da UPE, todos os prédios serão sanitizados antes e após a realização das provas. Não será permitida aglomeração. O uso de máscara facial é obrigatório e será disponibilizado álcool em gel a 70% para higienização das mãos. Os candidatos poderão levar água, sucos, doces e lanches devidamente acondicionados, além de máscaras extras e recipiente de álcool em gel a 70% para uso pessoal.

As provas para ingresso nas quatro Escolas de Aplicação da UPE acontecerão no dia 22 deste mês no horário da manhã. Os prédios serão abertos às 7h30 e fechados às 9h, com início da aplicação do exame às 9h15. A UPE está utilizando 18 prédios nas cidades do Recife, Nazaré da Mata, Garanhuns e Petrolina. Ao todo, são 4.085 candidatos.

 

 

Prorrogado o prazo de inscrição para alunos da UPE interessados em chips de celular gratuitos

Foram prorrogadas até o dia 11 de fevereiro as inscrições de estudantes da Universidade de Pernambuco (UPE) interessados em receber um chip para facilitar o acesso a aulas remotas e conteúdo didático pelo celular. Ao todo, serão disponibilizados 100 pacotes de dados com seis meses de funcionamento, com cinco gigabytes (5GB) de internet de alta velocidade e chamadas ilimitadas. A doação é da Universia Brasil e do Santander Universidades, através de acordo mediado pela assessoria de Relações Internacionais da UPE.  

As inscrições para solicitar o chip podem ser realizadas no endereço do programa (https://materiais.universia.com.br/chips). No formulário, o estudante deve preencher informações de identificação e a vinculação com a instituição superior de ensino. No caso da UPE, o aluno deve clicar na opção “Outra instituição”.

Os chips serão entregues em março. Caberá à UPE definir os contemplados, obedecendo os critérios de vulnerabilidade social. A Universia é a edtech do grupo Santander criada para apoiar o jovem em sua jornada acadêmica, profissional e empreendedora. Ao todo, serão doados 10 mil chips a universitários em todo o Brasil.

Professor da UPE e presidente da Academia Pernambucana de Medicina, Hildo Azevedo referenda documento sobre a importância das vacinas

O professor da Universidade de Pernambuco (UPE) e presidente da Academia Pernambucana de Medicina, Dr. Hildo Azevedo,referendou um documento escrito pelos acadêmicos e professores Gisélia Pontes Alves, João Regis, Paulo Mendonça, João Guilherme Alves e Eduardo Jorge Fonseca sobre a importância das vacinas para uma sociedade.

Confira o texto:

VACINAS: UM BEM PÚBLICO

Desde que Edward Jenner, no final do século XVIII, demonstrou que a vacinação poderia diminuir as mortes causadas pela varíola, a sociedade humana investe na melhoria ou criação de novas vacinas. A história demonstrou claramente os efeitos benéficos das vacinas, tanto no combate à mortalidade pelas doenças infectocontagiosas - até o século XX a principal causa de morte no mundo - como na melhoria da qualidade de vida das pessoas. A vacinação foi a medida isolada que teve o maior impacto na redução da mortalidade na infância.

As vacinas, hoje, se apresentam eficazes e seguras, além de serem de fácil implementação e terem um custo que vem sendo reduzido paulatinamente. No Brasil, o Programa Nacional de Imunização (PNI), criado em 1973 pelo Ministério da Saúde (MS), tem como objetivo coordenar as ações de vacinações em todo o território nacional de forma inclusiva com o objetivo de erradicar ou controlar diversas doenças imunopreveníveis, e representa um avanço de extrema importância para a saúde pública. O PNI é reconhecido nacional e internacionalmente como uma iniciativa exitosa e adquiriu respeitabilidade e credibilidade junto à população e ao meio científico.

Entretanto, dúvidas sobre a necessidade de vacinação ou mesmo das vacinas e, principalmente, da possibilidade de desencadeamento de efeitos adversos vêm sendo propagadas por grupos minoritários que criaram um “movimento antivacina”. Esse movimento, baseado em falsas premissas, vem prestando um desserviço à saúde das populações. Doenças praticamente controladas por imunizantes, como sarampo e pólio, por exemplo, voltam a causar surtos epidêmicos em várias regiões do mundo.

A situação é tão grave que recentemente a Organização Mundial de Saúde (OMS) considerou o “movimento antivacina” como uma das principais ameaças à saúde pública mundial. A pandemia COVID-19 impactou negativamente na rotina de vacinação agravando o problema, pois houve uma acentuada redução da cobertura vacinal. Em torno de 80 milhões de criança menores de um ano estão em risco de doenças como difteria, coqueluche, tétano, sarampo, pólio. Essa ruptura de campanhas de vacinações em países ricos e pobres põe em risco milhões de crianças.

Leia mais...